Conheça uma cidade para pacientes com Alzheimer

Em Hogewey Village, na Holanda, os pacientes não ficam entre corredores e cheiro de hospital. Eles levam uma vida normal, tanto quanto for possível, em um mundo que se adaptada às suas próprias fantasias. Os residentes da vila são mais ativos que os residentes de asilos convencionais e também demandam menos remédios para controlar suas condições médicas.

É como um micro-mundo e é também uma forma pioneira de abordar uma doença sem cura. O Alzheimer é dos mais poderosos males que afetam o cérebro humano, levando à demência e à perda progressiva de faculdades mentais e motoras.
Na vila todo mundo tem ligação com o Alzheimer. Se não é doente, é porque é médico, enfermeiro ou assistente social. A vila foi criada com 23 casas especialmente projetadas para pessoas da terceira idade. Os residentes são cuidados por 250 enfermeiros e especialistas em tempo integral e parcial, que vagueiam pela cidade. O que também é bastante interessante é que os trabalhadores dão o máximo de privacidade e autonomia para os moradores.
Por lá tem supermercado, restaurante, bar e cinema. Ruas, praças, parques e jardins foram todos desenvolvidos para que os idosos pudessem transitar livremente sem grandes problemas. E é isso que eles fazem. Mas então quem atende os pacientes nesse tipo de estabelecimentos? Isso mesmo, os profissionais de saúde.
Os médicos e enfermeiros são instruídos para fazer da experiência dos idosos o mais próximo da realidade possível. Embora as condições de demência possam exigir grandes cuidados, são os próprios moradores que fazem as compras no supermercado e ajudam no preparo da comida em casa. Apenas os aspectos financeiros são deixados de lado por sua natureza mais complexa, não existe moeda no local e tudo está incluso no pacote que se paga para morar lá.
Os cuidadores vestem roupas normais em vez de roupas clínicas e se encaixam perfeitamente nos papéis de vizinhos e empregados do lar. Uma enfermeira rapidamente vira cabeleireira, uma assistente social passa a ser dona de banca em segundos e um médico psiquiatra é garçom com naturalidade. Eles também não corrigem quando os residentes decidem falar sobre suas memórias, seu passado e história.Todos os funcionários do lugar estão lá apenas para dar apoio a situação delicada dos idosos.

Esta ideia foi posta em prática há oito anos. A Hogewey Village foi construída com dinheiro do Governo e recebe doações de entidades, contribuições das famílias dos doentes e de outras pessoas. Esse tipo de atitude é mais um exemplo que demonstra a evolução cultural e de mentalidade de uma nação, que já passou por diversos problemas, mas que encontrou uma forma de fazer diferente, e de realmente criar um sistema social feito para a população.
Na Hogewey Village, em Weesp, na Holanda, os pacientes não ficam curados e não deixam de perder a memória dos dias felizes. Mas a verdade é que, até os últimos momentos de suas vidas, uma coisa eles não vão perder, o prazer de uma vida digna!

  • |
  • Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *