Uruguai – Pode curtir à vontade!!!

bouxaO Uruguai é conhecido pela sua carne de altíssimo nível. O Uruguai tem apenas 3,2 milhões de habitantes e uma superfície de 177 mil km². Está localizado entre os paralelos 30 e 35 Sul, latitude considerada ideal para o plantio de vinhas, a mesma dos vinhedos argentinos, chilenos, sul-africanos e neozelandeses.
Meio “esquecidinho”, o Uruguai tem sido um destino cada vez mais procurado pelos brasileiros. Seja pela curta distância, a fronteira com o Rio Grande do Sul ou pelas promoções de passagens aéreas, o fato é que o país definitivamente está entrando na rota das nossas viagens.
E não é por acaso. Apesar de pequeno, o Uruguai oferece atrações para todos os gostos, que normalmente “pescam” o viajante pelo estômago, pelo visual ou pela simpatia de seus moradores.

O que ver e o que fazer no Uruguai

bandeira-uruguai-colonia
Reserve 6 dias para conhecer este País maravilhoso de pessoas acolhedoras e simpáticas. Fique 2 dias em Montevidéu, 2 dias em Colônia del Sacramento e 2 dias em Punta Del Este.
Em Montevidéu comece seu dia caminhando e se perdendo nas ruelas, admirando seus prédios históricos, museus, o Teatro Solis e a Plaza Independência. Sente em um dos restaurantes com mesas na calçada, tome um café e espere a hora do almoço; ou então siga para conhecer o Mercado del Puerto. Como a tradição ali é se sentar em um dos balcões para apreciar a “parrillada” – o churrasco uruguaio –, todos os estabelecimentos investem no mesmo menu. Sente-se em qualquer box e prepare-se para passar boas horas admirando as carnes numa espécie de “vitrine”, comendo um queijo ou um presunto cru e tomando um medio y médio. Essa bebida é um vinho feito com a mescla de espumante e vinho branco seco. Depois, se tiver fôlego, faça uma caminhada “sem pressa” pela Rambla. Esse é o nome dado às avenidas que ficam na orla do Rio de La Plata. É ali que os moradores praticam esportes, saem para tomar seu mate e se sentam para ver um pôr-do-sol imperdível!
Colonia del Sacramento é possivelmente a cidade mais charmosa do Uruguai. É um local que tem um “toque” de Tiradentes (MG) e Paraty (RJ). Declarada Patrimônio Cultural da Humanidade pela UNESCO em 1995, a cidade fundada por portugueses e disputada durante anos por Portugal e Espanha faz um convite a voltar ao passado através de uma caminhada por seu centro histórico.
Em Punta Del Este não deixe de visitar a Casapueblo. No final da tarde você poderá contemplar um pôr-do-sol de deixar qualquer um de queixo caído.
Um passeio pela Península de Punta del Este, deixa você próximo a duas opções de praias. A Playa Mansa e a Playa Brava. Nesta última tem o maior símbolo da cidade: o monumento La Mano. O Porto é repleto de iates e barcos de luxo, albatrozes e gaivotas loucas por comida e uma vista linda da cidade. Outra grande atração são os casinos. O mais famoso deles é o Casino Conrad.
O Uruguai é um país pequeno em comparação com os seus vizinhos, Argentina e Brasil; porém pouca gente sabe que o Uruguai é o quarto maior produtor de vinho da América do Sul. Apesar da produção pequena produz vinhos de excelente qualidade e preços muito justos.

Como tudo começou

castilloviejo
Foi por volta de 1870 que o imigrante francês Don Pascual Harriage plantou as primeiras parreiras de Tannat. Só 200 anos mais tarde, porém, a produção comercial ganhou impulso, fase em que os imigrantes bascos iniciaram o cultivo dessa uva. O sucesso foi tanto que a Tannat tornou-se símbolo das vinícolas do país e hoje ocupa um terço de toda a área plantada do país. No total são cerca de 400 vinícolas no país, sendo que cerca de trinta delas têm expressão internacional.
A maioria dos bons vinhedos está perto da capital Montevidéu, portanto, perto do Rio da Plata e do oceano Atlântico, o que traz um clima mediterrâneo e solos mais úmidos e frios.
Esta influência climática nos traz vinhos mais rústicos, menos encorpados e mais herbáceos.

Tannat – A uva símbolo do Uruguai

tannat
A Tannat nos traz vinhos poderosos, com forte carga tânica, frutados e excelentes parceiros para combater os pratos à base de carne de ovelha e gado, muito comuns na culinária uruguaia.
Para quem gosta dos Tannat mais harmoniosos e frutados, recomendamos os vindos das regiões norte e noroeste do país.

bouza-bodega-boutique
A Tannat, produz um vinho saboroso de cor vermelho escuro, aromas de baunilha, coco (em razão das barricas que estagia), ameixa, geleia de framboesa e morango. Na boca todo o seu esplendor, com taninos agradáveis, e volumosos. O tipo do vinho que quando se percebe lá se foi a garrafa. Além de ser um excelente “tira preconceito”.
A Tannat, após sérios estudos médicos foi confirmada como uma uva com excelente quantidade de resveratrol, que é um polifenol que age como antioxidante, agindo contra o câncer e como redutor do mal colesterol; além de outros benefícios à saúde.

bouza-bodega-montevideo-before-we-age-02
Há pessoas que associam a Tannat a vinhos duros e ácidos, o que de certa forma estão certas, pois os que não passam por madeira e não têm o cuidado necessário, desde a videira, são assim mesmo. Agora, o contrário é verdadeiro, os que bem cuidados, desde as vinhas, passando por barricas e com os taninos perfeitamente associados a esta. Geram fermentados redondos e com grande estrutura, podendo ser guardado por mais de uma década para harmonizar os pratos de inverno.

festival-tannat-uruguai

O vinho Tannat é perfeito para harmonizar com churrascos e assados.
Aqui o segredo é a forte carga tânica que esta uva traz consigo. Os taninos combinam com gordura. Portanto, mais um item que aproxima a Tannat da culinária típica de inverno, como o tradicional churrasco, carnes assadas, pratos baseados na carne de ovelha e outros bastante encorpados e condimentados.  A Tannat foi uma das poucas uvas que conseguimos harmonizar com feijoada.
Além da Tannat, outras uvas tintas são encontradas no Uruguai: Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc, Merlot, Pinot Noir e Shiraz.
Para quem gosta de vinho branco e quer conhecer algo diferente, recomendamos os Sauvignon Blanc do Uruguai, pois são vinhos firmes, aromáticos e minerais, bem ao contrário dos Sauvignon Blanc Argentinos e Chilenos, que são bem estes mais cítricos.

  • |
  • Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *